Rondó dos Cavalinhos

07
jul
2015

Iremos publicar aqui dicas culturais e notícias enviadas por nossos clientes.
A dica dessa semana, nos foi enviada pelo escritor e poeta Ivo Barroso, cliente do Prado desde 2015.

Manuel Bandeira

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo…
Tua beleza, Esmeralda,
Acabou me enlouquecendo.

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo…
O sol tão claro lá fora
E em minhalma — anoitecendo!

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo…
Alfonso Reys partindo,
E tanta gente ficando…

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo…
A Itália falando grosso,
A Europa se avacalhando…

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo…
O Brasil politicando,
Nossa! A poesia morrendo…
O sol tão claro lá fora,
O sol tão claro, Esmeralda,
E em minhalma — anoitecendo!

Consta que o poema acima, feito durante a “II Grande Guerra”, foi escrito enquanto o autor almoçava no Jóquei-Clube do Rio de Janeiro, assistindo às corridas.

Extraído do livro “Manuel Bandeira – Antologia Poética“, Editora Nova Fronteira – Rio de Janeiro, 2001, pág. 104.

Nenhum comentário

Deixe uma resposta